Publicado em Resenha

O SOL TAMBÉM É UMA ESTRELA – NICOLA YOON

     O SOL TAMBÉM É UMA ESTRELA é uma obra incrivelmente bem escrita, ela nos envolve do inicio ao fim. Terminei em dois dias, mas poderia ser em um se eu não tivesse uma vida acadêmica do lado de fora da porta.

    A obra nos traz a história de Natasha e Daniel, dois jovens que estão passando por situações bem dificeis; Natasha mora ilegalmente nos EUA e vai ser deportada na noite em que conhece Daniel, que por sua vez está em meio a uma crise existencial sobre se quer ou não entrar na “segunda melhor universidade do mundo” vulgo YALE.

    Os dois se encontram no metro, algo em natasha o chama atençao. Alias, natasha é negra, forte e determinada; além de exigir explicação cientifica para qualquer argumento. Daniel é poeta e romantico, acredita no amor e quer viver de suas poesias, mas claro que os pais não acham isso uma boa ideia, e até ai natasha concorda. Determinado a conquistar natasha ambos comecam um jogo de perguntas, mas ambos estão com pressa, natasha tem reunião com o único advogado cpaz de reverter a sua situação e daniel tem a entrevista para yale. Se apaixonar NÃO estava nos planos, pricipalmente nos da mocinha descrente do amor. De repente ambos se veem apaixonados mas so daniel reconhece isso, a trama se perpassa nos dialogos que eles tem e na conexão que estabelecem em um curto periodo de tempo, eles tem situações quentes e entre essas inclui-se brigas pesadas. 

    Ambos acabam conhecendo as familias, problemáticas, conturbadas e até racistas e xenofóbicas, sofrem por isso. Mas o espirito de lealdade permanece entre eles. Tudo estava destinado a acontecer, eles estavam destinados a se encontrar. A entrevista de Daniel foi no mesmo prédio e com o advogado de Natasha; que por razões fúteis e irresponsaveis não fez tudo oque poderia para ajudar natasha.

   O final da trama não surpreendeu, mas deixou um misto de “mds como assim” e “ ah, mas isso é a realidade”, natasha embarca no final daquele dia intenso para seu pais de origem junto com sua familia, e Daniel decide não ir a YALE, independente de ser um erro ou não, ele escolhe.

    MASSS…. 

 NEM TUDO SÃO ESPINHOS. No final do livro a autora escreve um final opcional, onde natasha e Daniel depois de alguns anos se reencontram em um avião, transpassando na itensidade da fala, que ainda existe amor entre os dois.

MEUS COMENTÁRIOS

    SOCORRO, que livro incrivel. Fiquei totalmente presa a leitura; realmente não conseguia parar de ler.

   É uma obra que definitivamente vale a pena ler, é um romance que mistura o improvavel e a realidade muitas vezes triste. Além de ser uma historia bastante interessante a dos personagens secundaristas. Os pais de Daniel são coreanos e racistas com traços fortes de xenofobia. Os pais de natasha, o pai, é um completo sonhador irresponsável. Digamos que se pode aprender como NÃO se deve ser, com eles. E o Daniel e a Natasha são opostos que se atrairam de forma intensa e única.

Publicado em COMO CONQUISTAR QUALQUER COISA SEGUNDO ARISTÓTELES, Meus textos

COMO CONQUISTAR QUALQUER COISA SEGUNDO ARISTÓTELES.

VERDADE , CREDIBILIDADE , AUTOCONTROLE

Segundo Aristóteles esses são os três pilares de uma boa comunicação,de uma boa oratória e de bons resultados. Servem para fazer com que suas opiniões prevaleçam.

COMO isso acontece? é simples.

VERDADE: Tem algo mais convincente que a verdade? NÃO. Tem alguma forma de demonstrar provas e fatos sólidos que não pela verdade? NÃO. A verdade é a maior amiga de um homem; mas como usa-la? Primeiro você deve conhecer o publico para quem fala, saiba suas prioridades (é o mesmo); depois saiba em que projetos estão envolvidos, e então use a verdade de forma a atingir cada um individualmente. Jogue provas de que oque está falando é real, tenha motivos gerais para cada realidade(pessoa) ali presente e então, você estará usando a verdade a seu favor.

CREDIBILIDADE: Quem acredita em alguém que não é confiável? NINGUÉM. Quem gosta de ouvir conselhos de quem não os segue? NINGUÉM. Sua imagem, ações, projetos; tudo com que você se envolve aumenta ou diminui a sua credibilidade. Se você não tem o hábito (visível a todos) de ler, ninguém vai ouvir você falando da importância da leitura, agora, se você é um critico literário, as pessoas virão aos montes te ouvir falar. Siga oque você prega, tenha princípios e defenda-os de todas as formas, ter credibilidade é a porta de entrada para ter as opiniões aceitas e respeitadas.

AUTOCONTROLE: Um homem só tem poder sobre o outro, se puder ter poder sobre si mesmo. Em nenhum momento já vivido sob a terra, alguém influenciou outro sem que estivesse ele próprio convencido de suas palavras. Se você se conhece e se respeita, você consegue controlar seus ímpetos e suas emoções, você consegue agir como precisa; não ache que autocontrole é não comer chocolate, ou ir a academia todos os dias; também faz parte, mas é muito além disso. Autocontrole significa você se conhecer e respeitar seus limites, saber seu espaço de fala e de ação, quando você sabe oque tem você sabe oque precisa conquistar.

No fim, quando você sabe a verdade, tem credibilidade e autocontrole; os seus objetivos serão alcançados aqui e em qualquer lugar que você for.

Publicado em Resenha

OS SOFRIMENTOS DO JOVEM WERTHER – GOETHE

Romance epistolar, alemão, Romantico e que liderou uma onda de suicídios em massa na época da sua publicação. Definitivamente um livro que precisa ser lido. A obra inaugurou o Romantismo, Goethe transpôs para a obra o amor pelo impossivel; algo novo para a época.

A obra é montada a partir de cartas do jovem Werther enviadas ao seu amigo Wilheim, o conteúdo dessas cartas é oque narra a trama. Werther um rapaz digno, honrado, amoroso, bondoso e muito sensivel, se vê apaixonado pela doce Charlote; com quem nutria uma boa amizade. Tudo seria perfeito se a doce amada não estivesse comprometida com um homem que por seu senso de justiça, é digno da admiração e respeito de Werther. No entanto, a doce Charlote também demonstra amar Werther, oque os fazem viver uma real história de amor proibido com direito a vários sonhos e apenas alguns beijos roubados. Não se pode dizer que ele não tenha tentado esquecê-la, mas parecia impossivel tirar sua imagem da cabeça, ela também não conseguia desapegar de suas lembranças amáveis de um amor que nunca poderia acontecer. O marido de Charlote parece entender que existe algo entre sua esposa e seu amigo, mas prefere não parecer entendido já que não teria nada que pudesse fazer. Não conseguindo mais sufocar a infelicidade de não ter sua amada junto a sí, Werther vê como única saida a própria morte; se despede de Charlote e de todos os que fazem parte de sua melancólica vida, deixa todas as suas pendencias e negócios organizados; para então com a arma do amigo sincero e justo, esposo de sua amada, atira em seu olho, acertando o crânio. Só foi encontrado na manha do dia seguinte, rodeado de sangue; com os orgãos funcionando porém já morto por causa do tiro que estourou seus “miolos”.

A obra é escrita de forma a prender o leitor a cada página, contém uma história de um romance que poderia ter sido épico, se não proibido antes fosse. Goethe tocou nas feridas ainda abertas dos jovens da época, a clássica história de um sentimento frustrado; foi oque levou a série de suicidios na época, não foi culpa do livro em sí, e sim das realidades dolorosas e da falta de importância a saúde emocional na época.

Digno de releituras e de premiações, merece o destaque que tem e ascende a luz sobre a importância do cuidado emocional tão necessário a sociedade.

Publicado em comentário literário

POEMA EM LINHA RETA – FERNANDO PESSOA

POEMA EM LINHA RETA

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das 
etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe – todos eles príncipes – na vida…

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos – mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.


Escrito por Fernando Pessoa, entre 1913 a 1935, foi publicado pelo seu heterônimo Alvaro de Campos; para os que não sabem, são a mesma incrível pessoa. As linhas do poema servem de crítica a sociedade de aparência férrea da época, Alvaro demonstra sua imperfeição gritante ante o perfeccionismo humano falsamente retratado durante esses anos.

O conceito moderno de fracasso, cria mecanismos de segregação que consideram fracasso tudo aquilo que foge do padrão. Lembrando que na raça humana não existe um padrão real, então como poderia alguém alcançar o sucesso dentro de perspectivas irreais? não poderia. A partir daqui, entramos na dicotomia pós-moderna de sucesso/fracasso; entra-se na discussão dos motivos que levaram a essa busca/maquiagem de perfeição extrema da sociedade.
Segundo Nietzsche oque aprendemos hoje nas escolas é um conhecimento focado na economia de mercado, não no desenvolvimento humano. Em suas palavras:
“A moral que esta aqui em vigor exige uma cultura rápida para que alguém pudesse rapidamente se tornar um ser que ganha dinheiro” Nietzsche A partir do momento que aceitamos nos transformar em maquinas monetárias, assumimos o curso desse paralelo que hoje tem evidenciado a não aceitação pessoal, a depressão latente, a falta de respeito com o outro. Sem bônus visível, o ônus desse caminho transpassa do controle que a sociedade almejava ter, planilhas e tabelas podem até garantir produtividade e rendimento financeiro; mas visivelmente não vem acompanhado de felicidade.

Poema incrível e reflexão ímpar, Álvares de Campos realmente sabia observar e transpassar a realidade por trás das mascaras de perfeição, que eram usadas e ainda hoje o são. Deixo aqui meu alerta para as máscaras usadas nas mídias sociais, a felicidade não pode ser capturada, sob enhum aspecto, ENTÃO, esqueçam os celulares e as fotos constantes e vivam o sentimento real. O mais importante, não se compare; não tem sob a terra alguém igual ou melhor que você.

Publicado em comentário literário

QUARTO DE DESPEJO- CAROLINA MARIA DE JESUS

  A obra é uma coletânia de 20 cadernos, que foram usados por uma moradora da antiga favela do Canindé, atual Marginal Tiete- SP. Chamada Carolina Maria de Jesus, essa mulher por amor a escrita e a leitura, decide fazer um livro contando sobre a realidade de quem mora em favelas.

 A obra ficou tão realista que pouco depois de seu lançamento, em 1960, foi traduzida para 13 idiomas. Assim que a obra lançou foi um completo buruçu na sociedade brasileira; primeiro por causa da linguagem da obra, a qual retrata todos os erros ortograficos resultantes de uma educação deficiente; segundo por ser a autora uma “favela” não deveria ter espaço em meios cultos como os dos escritores e poetas.

  A Obra é gritante, cada linha que se passa a realidade dela e de seus três filos; junto com as constantes brigas e ameaças; Maria Carolina retrata a real essencia do lugar onde calssifica como “ O lixo da cidade”, sem medo ela cita politicos que prometeram mais nada cumpriram, cita a fome extrema, o frio constante, até a falta de sabonete é escrita pela autora. Um livro para refletir da primeira a ultima linha, refletir sobre os previlegios que o leitor tem; sobre o desgaste piscicologico que essas pessoas sofrem diariamente; as condições sobrehumanas com que essas pessoas são deixadas, a mercê de todos os males possiveis.

  O Desejo de educação, o amor pelos filhos, os conflitos internos; tudo isso é transpassado gloriosamente nas linhas do livro. Mesmo em condições aquém da humanidade, Carolina demonstra a ombridade de caráter, o autocontrole e o respeito ao outro.

“ Sei dominar meus impulsos. Tenho apenas dois anos de grupo escolar, mas procurei formar o meu caráter”   Carolina M. de Jesus

  Quantas pessoas com doutorado não tem um caráter formado, não tem o respeito pelo espaço do outro; as frases de Carolina demonstram o horror, o pior; o quão defeituosa é a sociedade que vivemos.

“ Todos tem um ideal, o meu é gostar de ler”

  Quanto tempo será que ela teve para aprender a ler?, será que ela conseguia acesso a bons livros?, será que ela tinha que abdicar de algo por esse ideal?, será que se fosse você no lugar dela, você teria um ideal tão nobre?

   Quarto de Despejo  é uma obra linda e cheia de emoção e conteúdo. Formação social é oque esta leitura resulta; ser pobre não é o problema, ter a mentalidade deficiente que é.  Se os que se encontram hoje no poder, lerem essa obra e nada demonstrarem; melhor seria que começássemos com a história da civilização novamente, apagando qualquer vestigio do que hoje chamamos de sociedade.

Publicado em comentário literário, PERSUASSAO COM ARISTÓTELES

APRENDA A PERSUADIR COM ARISTÓTELES.

ARISTÓTELES- RETÓRICA

 

  Quem melhor para ensinar a retórica que o próprio mestre dela!

O livro é dividido em três blocos, cada um apresenta um tópico central. Aristóteles dividia o “conceito” dessa arte em 3 aspectos diferentes. Ele não acreditava que existia uma definição que contempasse tudo que a retórica é, por isso o loivro anda em volta da frase : “ A Retórica não pode ser definida, eu não ouso faze-lo”.

  A retorica nessa obra ganha o propósito de PERSUASSAO, ela é ensinada com o propósito de persuadir o outro, porém, usando apenas a verdade.

PRIMEIRO BLOCO:

     LOGOS

“ Persuasão baseada na razão. Neste modo, são utilizados argumentos dedutivos – isto é, argumentos que, segundo a Lógica, garantem que as conclusões são verdadeiras, se as premissas forem verdadeiras. A premissas destes argumentos devem ter sua veracidade sustentada pela razão.”

 Aristóteles ensina como usar a verdade a nosso favor. Muitas vezes para conseguir algo acha-se que a mentira é o caminho mais curto, no entanto a mentira fere a alma, a verdade quando bem ultilizada é a cura para todos os males.

 Usar a verdade sabiamente, é empenhar o real em prol do outro; olhar da perspectiva do outro e ordenar as palavras da maneira que o outro melhor recepcione; sem mudar oque de fato aconteceu.

SEGUNDO BLOCO:

         ETHOS

  “ Persuasão baseada na credibilidade. Humanos são animais sociais, os quais precisam colaborar e confiar uns nos outros para viver. O que não significa que esta confiança deva ser cega. Devemos utilizar o bom senso para saber em quem confiar e em quem desconfiar, e em qual medida. Boa parte da retórica se foca em como fortalecer o ethos. ‘’

Para acreditar em algo, precisa-se da certeza que o fato é ou pode ser real; e de que quem emite tal coisa é realmente confiável.

Aristóteles dá dicas de como ser confiável, dicas que incluem; ter uma vida de atos transparentes, não se beneficiar da mentira, não ultilixzar falsos testemunhos acerca de si mesmo nem de outros. Ser confiável é ainda mais importante que saber se comunicar, pois quem é confiável já tem a verdade como cartao de visita; quem não é, precisa da retórica para se fazer confiar, dois trabalhos em uma só situação.

TERCEIRO BLOCO

     PATHOS

  “Persuasão baseada nas emoções. Devemos evitar sermos demasiadamente emotivos ou piegas em questões melhor abordadas à luz da razão. Ainda assim, este modo de persuasão tem seu lugar, uma vez que as emoções nos conduz à ação. Uma pessoa apática ou desesperada em face dos problemas e adversidades dificilmente executará a ação propícia.”

Para Aristóteles, uma pessoa realmente virtuosa é aquela que sabe controlar suas emoções e assim agir com a razão. O Pathos explica que as emoções podem ser grandes aliadas na persuassao; no entanto também podem prejudicar todos os esforços para falar a verdade e ser confiável.  Quando agimos só com a emoção, deixamos a razão de lado; a pior coisa que alguém pode fazer é isso. A razão precisa guar todas as nossas ações, para assim alcançarmos nossos objetivos reais.

O Phatos significa aquela máxima famosa: “ Quando estiver com raiva,  cale-se” ; quando estiver tomado pela emoção, cale-se instantaneamente.

Quando iniciei essa obra, achei que ia ser algo muito “ a vida de aristóteles e como ele usava a retórica” ; quando percebi que o objetivo do livro era ensinar o leitor a usar a retórica como tecnica de persuassão, minha cabeça pifou rsrsrs. IMAGINA QUE LOUCO VOCÊ APRENDER COM O MESTRE, o livro da a impressão que o autor está na sua frente, te ensinando TUDO que você precisa aprender sobre o assunto.

SE VOCÊ É DO RAMO JURIDICO, POR FAVOR LEIA ESTE LIVRO.

Em três formas resumidas:

 Se precisa de um quórum de apoiadores:

1º Conte a verdade. Conte da melhor forma que o outro pode recepcionar.

2º Seja digno de confiança. Seja a pessoa que nenhuma outra pode apontar.

3º Use a razão. Controle suas emoções SEMPRE.

Publicado em Resenha

LOLITA – VLADIMIR NABOKOV

   A obra conta a história de um homem com seus 50 anos, que por ter perdido seu primeiro amor de infãncia para a tuberculose infantil, cresce com fixação por garotas que pareçam com a sua primeira amada. O problema é que ele começa a ver todas as meninas na faixa dos seus árueos 12 anos com uma sexualidade absurda, a falta de maturidade tanto fisica como emocional são os maiores atrativos para esse homem, que tem por nome HUMBERT. A obra conta um pouco da sua triste vida adulta, casado,infeliz e traido pela esposa não satisfeita com a relação, Humbert se muda e ai que começa o livro. Humbert conhece uma senhora que desde o primeiro momento, demonstra segundas intenções com o protagonista, ele portanto a ignora friamente, até conhecer sua filha a doce Dolores, que vem a ser chamada por ele de LOLITA. A partir do primeiro encontro deles, ele não tira mais os olhos dela, tudo que a menina faz é descrito por ele como provocativo, sexualmente falando, em vários momentos da trama fica claro que a sexualidade que ele alega existir em Lolita é fruto de uma imaginação espúria e depravada. Ele se retrata como um coitado e condenado a sentir prazer neste crime, que é amar uma criança como se fosse uma mulher. Porém, mesmo sabendo das implicações legais de seus atos, Humbert diz que tenta por tudo não ser do jeito que é; mas não consegue. A história piora quando ele se casa com a mãe da Lolita apenas para ter uma boa desculpa em acariciar a filha. Acostumado a colocar sonifero na comida de ambas para então poder “amar” lolita sem que ela soubesse, ou a mãe percebesse. Pouco tempo depois a mulher morre e então começa o livro verdadeiramente, com a mãe morta e Humbert como tutor legal, o mesmo pega Lolita e inicia uma viagem pelos Estados Unidos, nestaa viagem ocorrem estupros constantes, além de violencia verbal e pscicológica, sem deixar de falar do ciúmes corriqueiro que Humbert nutria por Lolita. No final, Lolita foge e anos mais tarde envia uma carta a pedir dinheiro, já casada e grávida, mesmo assim Humbert demonstra a querer de volta, e a mesma o recusa.

      NOJENTO e INSTIGANTE   –  Sentimentos que andaram juntos durante toda a minha leitura do livro. A todo momento queria saber até onde ele poderia ir, se ele iria realmente abusar dela, e a maior causa de indignação é que o livro foi escrito apenas do ponto de vista dele, onde a Dolores assume o papel de “ Ninfeta” perigosa ( titulo ultilizado pelo Humbert), Humbert descreve lolita como uma mulher em um corpo de criança, com desejos sexuais comparativos aos de uma mulher no auge de sua  vida sexual ativa. É um livro que EXIGE um pensamento crítico a respeito de cada linha escrita, mostra como o homem pode perder a racionalidade e até mesmo alucinar, se colocando no centro do mundo de outras pessoas apenas para satisfazer seus próprios desejos. Lolita, a obra, fala sobre a pedofilia como nunca antes escrito, é clara tal doença do inicio ao fim das páginas e mais clara ainda o desequilibrio que o Humbert sofre.

Publicado em Resenha

O SENHOR DAS MOSCAS- WILLIAM GOLDING

Conta a história de 2 garotos que acordam em uma praia, solitários até então, ao desbravarem o lugar descobrem que estão em uma ilha, sem adultos por perto. Ao acharem um instrumento, um  personagem com nome Ralph toca o instrumento junto do seu companheiro chamado “porquinho”, outras crianças comecam a surgir na ilha, todas vem de encontro ao som emanado por ralph.  A história começa a se desenrolar quando o grupo decide que precisam de um lider, precisam de alguém que os comande e diga as prioridade, ou não conseguirão sair vivos da ilha, surge a ideia de ser o lider quem tocou os instrumentos e reuniu todos na praia, Ralph assume a liderança, deixando Jack ( antagonista da história) nem um pouco contente. O passo seguinte é a criação de regras e a divisão de quem faz oque, tudo parece ir bem até que Jack não satisfeito por não ter a liderança do grupo, começa a incitar intrigas dentro das divisões, aos poucos a autoridade de Ralph vai sendo desrespeitada, até que acontece a divisão do grupo ao meio, metade liderado por Ralph e a outra metade por Jack. Quando estão a ponto de se matarem, são salvos pela marina inglesa.

          Esse livro traz importantes reflexões sobre o caráter humano, e sobre como lidamos com os desafios, vontades e diferenças propostas pela vida em conjunto. O ápice do livro é quando eles começam a não seguir as regras, cada um quer fazer só oq quer e oq acha melhor, alguns fazem sozinhos e outros influenciam mais alguns a concordarem e participarem das suas empreitadas. Esse livro tem um enredo muito bem escrito que prende o leitor do inicio ao fim, propondo sérias reflexões pessoais a quem está segurando a obra em mãos. No final, serem salvos pela marinha inglesa, que estava em guerra também, deixa a impressão “os adultos salvam as crianças, e quem salva os adultos?”.

   Regras, Autoridade, Respeito, Força, Prioridade, Liderança. São os principais temas abordados pela obra do senhor Golding, e que obra. Terminei a leitura com a necessidade de repensar quais regras estou deixando de cumprir e o motivo delas existirem, até porque faço parte da classe adulta, não sei se alguém poderia me salvar, além de mim mesma.

Publicado em Resenha

NA COLONIA PENAL – FRANZ KAFKA

Como todas as obras de Kafka, o livro é feito de criticas dirigidas diretamente ao sistema penal brasileiro.

Conta a história de um estrangeiro que veio a uma colõnia penal. com o objetivo de conhecer o lugar, o mesmo é levado a uma “tour” pelo então comandante do lugar, até então tudo parecia terrivel, mas ainda assim dentro do esperado pelo explorador. Até que o comandante muito animado, mostrou a então máquina propulsora da considerada “ efetividade” do sistema penal. Ao ver a máquina e como ela cruelmente executa a sentença, fica horrorizado e tenta mudar a percepção de justiça que o comandante apresenta em sua fala, e em sua defesa da máquina.

A máquina funciona da seguinte forma:  “ Consiste em uma cama na qual ficará o condenado preso, enquanto uma série complexa de engrenagens são calibradas e posteriormente, através de um rastelo e de uma série de agulhas, marca a sentença no copo da vitima. “

E assim, matando a vitima depois de tamanha monstruosidade.

Na obra como um todo, é normal que o leitor tenha ápices de revolta e identificação com o sistema apresentado no livro, em relação ao que acontece hoje em dia na justiça brasileira.

A obra é finalizada de maneira digna da preciosidade que a mesma é. O comandante que tanto defende a máquina e a considera extremament perfeita, para demonstrar sua precisão, fica na posição da vitima e acaba sendo morto pela mesma, da mesma maneira que feriu tantos foi também ferido.

          NOSSO SISTEMA PENAL É FALHO, DESUMANO E INJUSTO.  Essa foi a confirmação da certeza que tinha, as pessoas que defendem as crueldades que acontecem nele são as que mais tarde, serão suas vitimas. Tem um dito popular que representa isso muito bem “ pimenta no olho do outro é refresco”, o sistema penal só será reformulado e dignificado quando um dos que o defende for vitima de suas atrocidade corriqueiras.

Kafka é um dos meus autores favoritos. Ele é um critimo perfeito, consegue passar a realidade mais gritante com a maior das facilidades para o papel, ler Kafka é ter em um só livro, várias interpretações e inumeros aprendizados. É uma obra incrivel e digna de releituras.

Publicado em comentário literário

O Conto da Aia – Margaret Atwood

O CONTO DA AIA se trata de uma distopia que foi publicada no final dos anos 80, ganhou recentemente mais fôlego com a série inspirada na obra a “The Handmaid’s Tale” apresentada pelo serviço de streaming HULU.

Os comentários atuais sobre a trama contextualizam, em maioria, o governo Trump nos EUA; não discordo desse enlace.

A trama se passa em um mundo pós guerra onde é instaurada uma nova república chamada, Gilead, os primeiros comandos dessa reforma são a suspensão de TODOS os direitos individuais femininos, com isso, a mulher passa a ser vista como propriedade de uma classe masculina abastada, as mesmas eram alocadas em castas, as que não podiam mais ter filhos, serviam nas casas, eram as “marthas”, já as que eram jovens e podiam carregar o mais alto estado de divindade que era a gravidez, eram as “AIAS”, tudo isso amparado por um ar de cristianismo exacerbado. A história é retratada por uma mulher “chamada” OFFRED, uma AIA, oque o livro conta sobre a realidade da época é totalmente limitado a uma pessoa em especifico, as aspas querem dizer que o nome dessa mulher não é este mesmo, porém as mulheres perderam seus nomes reais e eram rotuladas com o of = DE e o nome do homem a quem pertenciam Fred= OFFRED (DIABÓLICO NÉ !!!!!) .

Assuntos como o feminismo, o machismo, a liberdade de expressão, o sexismo e o caráter dual que a religiosidade pode tomar, são claramente retratados em trechos da obra, com uma linguagem clara e bem detalhista (em alguns trechos me via em tantos detalhes que lembrava de Machado de Assis) me fazia viajar naquele sistema, é incrível como a autora conseguiu ser crítica e envolvente dentro da mesma trama

O livro retrata várias situações que me deixaram apavoradas ao imaginar “ mds, isso realmente pode vir a acontecer”  , não é uma surpresa que a obra tenha ganhado além de uma série, um Emmy e um Golden Globe.

MESMO sendo escrita a bastante tempo, trata de problemas super atuais demonstrando com clareza que a vida é um ciclo que de tempos em tempos se repete, de maneiras diferentes, mas sempre se repetem. FORÇA, AMOR, LIBERDADE são as frases que cercam a obra.